sábado, 30 de setembro de 2017

Algumas reflexões sobre as eleições na Alemanha: AfD fica em segundo lugar na antiga Alemanha Oriental


Bem, já faz uma semana das eleições na Alemanha e já é possível falar algo com a poeira um pouco assentada.

Como todos sabem, o CDU, o partido da Chanceler Merkel, a Louca, venceu as eleições. Contudo, existe muita coisa interessante a ser evidenciada que vai além de uma simples visão fria de um resultado eleitoral.

O CDU é a União Democrática Cristã (os famosos "democratas-cristãos", que já faz tempo afogaram o que ainda poderia existir de cristianismo no partido) vem se mantendo no poder por mais de 11 anos, sob o comando da Merkel. O CDU tem se alternado no poder desde a Segunda Guerra Mundial, com o Partido Social Democrata (SPD), exceto os 9 dias em 1974 quando o Partido Democratico Livre (FDP) esteve no poder. O CDU é de uma linha centrista, enquanto que o SPD é centro-esquerda. E, nos últimos 4 anos, o CDU e o SPD tinham uma coligação.

As eleições gerais de domingo passado foram, de certo modo, um plebiscito sobre a decisão unilateral da Merkel de abrir as fronteiras para mais de um milhão de pessoas que diziam serem refugiados fugindo da guerra civil na Síria, mas que, na verdade, eram na sua maioria pessoas que fugiam do Oriente Médio, Ásia e África por motivos dos mais diversos, notadamente buscando usufruir do generoso sistema de bem-estar social da Alemanha.

As reações contra a decisão da Merkel são bastante conhecidas e variaram desde um apoio inicial por parte de uma parcela da população que, influenciados por propaganda propagada pela grande imprensa, desejava ajudar o "mais necessitados", a uma reação crítica por parte daqueles que compreendiam a real extensão dos problemas sociais e econômicos que este volume de refugiados, entrando na Alemanha em tão curto espaço de tempo, iria causar.

A maioria dos "refugiados" não se integra à cultura alemã, aliás, a odeiam por não ser islâmica.

Em termos políticos, os partidos da coligação de governo, o CDU e o SPD, bem como os partidos mais voltados para a Esquerda do espectro político davam suporte a invasão em curso. Do outro lado, os partidos mais de centro-direita adotaram uma postura mais crítica. Mas, notadamente, um novo grupamento político que havia surgido quando da crise econômica do euro em 2013, tomou uma posição bastante forte contra Merkel, o partido Alternativa para a Alemanha (AfD, sigla do alemão Alternative für Deutschland). Este partido se tornou o centro da oposição contrária à política de fronteiras abertas do governo alemão.

Então vem as eleições de domingo passado e os resultados foram supreendentes. Apesar de ter obtido o maior percentual de votos (33%), o CDU obteve o pior resultado eleitoral da sua história. Do mesmo modo, o SPD obteve apenas 20% de votos, algo também considerado um fracasso. Enquanto isso, o AfD obteve 13% dos votos: 1,1 milhão de votos do CDU migraram para o AFD!

Deve ser dito que 1,3 milhões de eleitores do CDU migraram para o partido Democratas Livres (FDP), que defende a liberdade de mercado, algo que o CDU deixou de incentivar no âmbito das últimas crises da União Européia.

É importante também notar que 970 mil eleitores alinhados com a Esquerda (o partido verde, GRÜNE, e o partido da esquerda, DIE LINKE) mudaram seu voto para a Direita! Ou seja, a migração de eleitores para partidos contrários às políticas da Merkel foi de 3,3 milhões de votos!

Mas a performance do AfD foi mais surpreendente ainda. Considerando-se o resultado na região compreendida pela antiga Alemanha Oriental, o AfD ficou em segundo lugar, apenas 5% de votos atrás do partido da Merkel, o CDU. E, se for considerado apenas o voto masculino, o AfD ficou em primeiro!

Na antiga Alemanha Oriental, o AfD obteve 21,5% dos votos, ficando em segundo lugar

As consequências são várias. O SPD, desmoralizado, vai tentar se afastar do CDU da Merkel e irá fazer oposição, já pensando nas próximas eleições. Deste modo, a Merkel para formar um governo terá que se coligar com o FDP e com o Partido Verde, um coligação sendo chamada de "Jamaica" devido às cores destes partidos: preto, verde e amarelo. O problema é que o FDP é liberal (no sentido clássico da palavra) e o Verde é socialista. E os verdes dizem que não irão participar desta coalizão, certamente no desejo de conseguirem puxar o governo mais para a esquerda. A governabilidade vai ficar prejudicada.

Apoiadores do AfD em Hamburgo, em 2015

Merkel promete recuperar estes votos. Mas como? A rigor, se ela continuar com a mesma política de fronteiras abertas e impondo ao povo alemão políticas que inibem o livre mercado, a tendência será ela, e seu partido, perderem mais terreno.

Mas quatro anos é muito tempo, e o dano que suas políticas vêm causando para o tecido social alemão, que já têm sido tremendas, serão ainda maiores, e ainda mais difíceis de serem reparadas.


Distribuição de votos do AfD pelas regiões da Alemanha: a distinção entre Alemanha Ocidental e Alemanha Oriental são bastante nítidas


Distribuição dos votos entre a ex Alemanha Ocidental (à esquerda) e a ex Alemanha Oriental (à direita) 



sexta-feira, 29 de setembro de 2017

OMS afirma: beber urina de camelo faz mal à saúde!


Esse aviso parece brincadeira, mas não é. Muitos muçulmanos bebem urina de camelo por ser algo "islâmico."

Artigo no US News começa com a pergunta irônica: "Afinal, quem não teve o desejo de tomar um copo de água gelada de camelo de vez em quando?"
Mas, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, isso pode ser mortal.
Você vê, há uma situação MERS. MERS - oficialmente chamada Síndrome Respiratório do Oriente Médio Coronavírus - provoca febre, problemas respiratórios, pneumonia, insuficiência renal e outras complicações mortais.
De acordo com um comunicado de imprensa, cerca de 64 casos da doença foram documentados na Coréia do Sul, incluindo cinco mortes.
E, como você pode ter adivinhado, isso é passado por camelos.
Por mais assustador que pareça, algumas pessoas em países muçulmanos acreditam que beber urina de camelo irá curar doenças.
Por precaução, a OMS pede às pessoas que "evitem beber leite cru de camelo ou urina de camelo".
[Texto do comunicado da OMS diz: "Devem ser observadas práticas de higiene alimentar. As pessoas devem evitar beber leite cru de camelo ou urina de camelo, ou comer carne que não tenha sido devidamente cozida.]
Enquanto o surto persistir, a OMS está aconselhando as pessoas a seguirem o senso comum básico em matéria de higiene. E, como regra geral, ficar longe dos camelos.
"As pessoas devem evitar o contato próximo com os animais, especialmente os camelos, ao visitar fazendas, mercados ou áreas de celeiro onde sabe-se que o vírus está potencialmente circulando", aconselha a OMS. "Devem ser cumpridas as medidas gerais de higiene, como a lavagem regular das mãos antes e depois de tocar os animais e evitar o contato com animais doentes".
Pois é, Maomé estava errado. Mais uma vez.

Você acha que eles não pensam que beber urina de camelo é saudável? Veja o que este artigo sobre os benefícios de se beber urina de camelo (do Islam Q&A) diz.

Leia também A urina de Maomé e a urina de camelos são medicinais.

"O profeta mandou-os ir até a manada de camelos e beber de seu leite e urina" 









https://youtu.be/ae8Qz_i0Z7g

https://youtu.be/BYqrzCH_GgU

sábado, 23 de setembro de 2017

Verdadeiros 'Historiadores das Cruzadas' e Karen Armstrong

Neste artigo, o historiador Andrew Holt fala sobre a distinção entre os historiadores profissionais especializados na história das cruzadas e os curiosos que se passam por historiadores. Enquanto que os primeiros tratam das cruzadas como um evento histórico, com causas e consequências, os últimos se valem de uma narrativa falsa e errada. Dentro deste grupo de historiadores falsos se encontra a escritora Karen Armstrong. 
Historiadores das Cruzadas e Karen Armstrong

Andrew Holt, Ph.D.
1/6/2016. Fonte.

Karen Armstrong é uma antiga freira que escreve amplamente sobre questões políticas e religiosas, incluindo cruzadas e islamismo. Como uma bem conhecida crítica das atitudes modernas do Ocidente em relação ao Islã, Armstrong muitas vezes procurou chamar a atenção para o que ela vê como injustiças históricas cometidas pelos ocidentais no Oriente. Ela lista as cruzadas entre essas injustiças. Por exemplo, em seu trabalho, Islam: A Short History, ela escreve:
Foi, por exemplo, durante as Cruzadas, quando eram cristãos que haviam instigado uma série de guerras sagradas brutais contra o mundo muçulmano, o islamismo foi descrito pelos sábios eruditos-monges da Europa como uma fé intrinsecamente violenta e intolerante, que tinha só conseguido estabelecer-se pela espada. O mito da suposta intolerância fanática do Islã tornou-se uma das ideias recebidas do Ocidente. [pág. 179-180]
De todos aqueles que atualmente escrevem sobre as cruzadas, seu trabalho provavelmente está entre os mais populares e bem conhecidos do público em geral. No meu caso, eu tive casos de estudantes que leram seus livros em outras circunstâncias, e me questionaram sobre contradições aparentes entre o que eles estavam aprendendo nas minhas aulas e o que eles leram em seu livro. Eu também tive uma vez o caso de uma pessoa, que nunca tinha sido meu aluno, depois de ler um artigo que escrevi como convidado para o jornal Florida Times Union, me enviou um e-mail pelo mesmo motivo, buscando esclarecimentos. O motivo dessas contradições é porque eu fui treinado como historiador medieval e trabalho dentro da atual historiografia dominante das Cruzadas, muitas das quais estão decididamente em desacordo com algumas das alegações que Armstrong faz em suas obras.

O historiador das cruzadas  mais influente, e ainda vivo, é inquestionavelmente o professor aposentado da Universidade de Cambridge, Jonathan Riley-Smith. Seu trabalho nos últimos quarenta anos, incluindo mais de uma dúzia de livros, revolucionou, em muitos aspectos, nosso entendimento das cruzadas. Em contraste com a sugestão de Armstrong mencionada acima (para usar apenas um exemplo) de que os cruzados "instigaram" o conflito através da chamada às Cruzadas, Riley-Smith ressalta que "a justificativa original para a cruzada foi a agressão muçulmana".

O que explica essa diferença de opiniões entre Jonathan Riley-Smith, talvez o principal estudioso mundial das cruzadas, e Karen Armstrong, uma das autoras mais populares do mundo sobre o assunto?

Vamos desempacotar esse embrulho.

Do meu ponto de vista, a ideia de que as cruzadas representavam um caso de guerras instigadas pelos cristãos medievais contra os muçulmanos parece sugerir falsamente que um conflito sério entre muçulmanos e cristãos só começou com as cruzadas. Isso ignora um quadro inteiramente diferente daquele que os historiadores das cruzadas frequentemente trabalham quando se considera as origens do movimento das Cruzadas. O historiador especialista nas Cruzadas, Paul F. Crawford, em pelo menos dois ensaios, delineou a história do conflito entre cristãos e muçulmanos logo após a morte de Maomé até os anos cruciais antes da chamada da Primeira Cruzada. Durante o período da Conquista Árabe, dos séculos sétimo ao oitavo, os exércitos muçulmanos conquistaram mais terras (da costa do Portugal moderno ao Hindu Kush) do que o Exército Romano conseguiu no seu auge e talvez dois terços do mundo cristão, incluindo grande parte do Império Bizantino, o Levante, a África do Norte, a Espanha, e até mesmo entrando na França durante o século VIII. O conflito contínuo entre cristãos e muçulmanos ocorreu desde o século oitavo até o final do século XI, e viu o estabelecimento do Emirado da Sicília, ataques à Itália (e duas vezes à própria cidade de Roma) e um encolhimento global significante dos territórios cristãos bizantinos.

No entanto, os eventos do final do século XI são os mais imediatamente relevantes, começando com a derrota dos bizantinos em Manzikert, em 1071. Como resultado dos eventos de Manzikert, os exércitos muçulmanos conquistaram grande parte da Asia-Menor cristã e as áreas vizinhas nos anos  seguintes. As antigas cidades cristãs de Nicéia e Antioquia, entre outros, caíram sob o domínio dos exércitos muçulmanos em 1081 e 1084, com muitos cristãos escravizados ou submetidos ao status de dhimmi (status de 3ª classe concedido a judeus e cristão) como resultado.

Já em 1074, em resposta aos pedidos de ajuda por parte dos bizantinas, na sequência da sua derrota em Manzikert, o Papa Gregório VII propôs liderar pessoalmente uma força de 50 mil cavaleiros ocidentais (europeus) para auxiliar os cristãos do Oriente, mas seus conflitos com o imperador do Sacro Império Romano impediram que isso ocorresse. A controvérsia das investiduras e outras questões no Ocidente retardaram qualquer resposta significativa, mas certamente os cristãos ocidentais estavam bem cientes da situação de deterioração para os cristãos no Oriente, já que os papas e os membros da nobreza ocidental recebiam não apenas a correspondência dos bizantinos, detalhando as atrocidades que ocorriam, mas também relatórios semelhantes e perturbadores de peregrinos e outros viajantes ocidentais (destinados à Terra Santa).

Demorou-se 11 anos, até se chegar ao Concílo de Placência (Piacenza), em 1095, quando os embaixadores bizantinos puderam finalmente chegar a um acordo com o papado recentemente estabilizado de Urbano II para ajudar o Império Bizantino, resultando na convocação da Primeira Cruzada, ao final desse ano, no Concílio de Clermont (Clermont-Ferrand). A Primeira Cruzada resultaria na efetiva restauração do território cristão recentemente perdido, incluindo a cidade de Nicéia e grande parte da Ásia Menor restiruidos para o controle bizantino, com Antioquia e outras regiões sob o controle dos recém-criados estados cruzados.

Voltando a Jonathan Riley-Smith, seu trabalho sobre as cruzadas demonstrou que muitos dos participantes da Primeira Cruzada citavam preocupações sobre o sofrimento dos cristãos no Oriente Médio, e a profanação de lugares sagrados cristãos, ao explicar suas razões para participarem dela. Em seu livro altamente considerado The First Crusade and the Idea of Crusading, Riley-Smith destaca (ver páginas 23-24) a carta de dois irmãos, por exemplo, escrita pouco antes de embarcarem na Primeira Cruzada. Eles contaram que estavam indo na cruzada, em parte, "... para acabar com a corrupção dos pagãos e a imoderada loucura através da qual inúmeros cristãos já foram oprimidos, feitos cativos e mortos com fúria bárbara".

Jonathan Riley-Smith é o mais importante historiador das cruzadas ainda vivo

Na verdade, de acordo com a versão da convocação do Papa Urbano II para a Primeira Cruzada escrita por Robert, o monge, que afirma fornecer um relato de testemunhas do Conselho de Clermont, Urbano II descreveu a profanação da Igreja do Santo Sepulcro e, em detalhes gráficos, a violação e tortura de cristãos nas mãos de seus perseguidores muçulmanos. Peter Frankopan argumenta de forma convincente que esses relatos se originaram da correspondência do Imperador Bizantino Alexios e não foram uma invenção do Papa Urbano II. Além disso, esses relatos de sofrimento cristão nas mãos dos turcos seljúcidas são muitas vezes confirmados em fontes muçulmanas. Assim, os primeiros cruzados viram a Primeira Cruzada, durante a qual pereceram cerca de 1/3 dos cavaleiros que participaram dela, como uma guerra defensiva. Para eles, a Cruzada não foi combatida apenas em defesa do patrimônio de Cristo ou de lugares sagrados cristãos, mas também por causa do sofrimento e humilhações dos cristãos orientais. Este é um componente importante na explicação do nascimento, pelo menos, do movimento das cruzadas.

À luz dessas questões, a sugestão de que a Primeira Cruzada representou uma "instigação" das hostilidades contra o mundo muçulmano pode ser frustrante para um historiador obcecado pela verdade.

Embora seja comum encontrar referências às cruzadas em suas muitas entrevistas e escritos, seu comentário mais extenso vem de seu livro bem conhecido, Holy War: The Crusades and Their Impact on Today’s World (Guerra Santa: as Cruzadas e seu Impacto no Mundo de Hoje). O trabalho tornou-se um exemplar comum em bibliotecas universitárias nos Estados Unidos e na Europa, mas não conheço nenhum historiador, cuja pesquisa se concentra principalmente nas cruzadas (por exemplo, historiadores das cruzadas), que o recomende em seus cursos. Talvez algum algum lugar o faça, mas, de todo modo, não é algo típico.

Capa do livro de Karen Armstrong

Para que o leitor não pense que estou sozinho em expressar preocupações, muitos outros historiadores das cruzadas comentaram publicamente sobre o trabalho de Armstrong. Um erudito, o Dr. Thomas Madden, professor e ex-presidente do Departamento de História da Universidade de St. Louis e um dos principais estudiosos das cruzadas nos EUA, referiu-se com caridade à Guerra Sagrada de Armstrong como "bem redigida, mas não familiarizada com as atuais pesquisas ou fontes medievais". Em outra ocasião, o Dr. Madden descreveu o trabalho de Armstrong em termos mais fortes, quando notou:
Originalmente escrito em 1988, este livro foi relançado em 1991 na sequência da Guerra do Golfo e agora fez outra aparição desde os ataques de 11 de setembro. Pobremente pesquisado e escrito, este livro é em grande parte um exercício na retórica moderna da esquerda sobre sensibilidade, tolerância e os males da civilização ocidental. Sua "visão tripla" é borrada por uma abordagem equivocada do islamismo e do judaísmo e uma hostilidade absoluta ao catolicismo.
O altamente respeitado e atual estudioso das cruzadas Dr. James Powell (professor emérito da Universidade de Siracusa) fez comentários semelhantes sobre a qualidade da erudição de Karen Armstrong em múltiplas ocasiões. Em 1995, ele escreveu:
Recentemente, a escritora popular Karen Armstrong voltou-se para a cruzada na Guerra Santa: as cruzadas e seu impacto no mundo de hoje (Nova York, 1991). Embora ela saliente que seus próprios antecedentes e interesses estão no campo da religião, a maior parte do livro é dedicada a comparações jornalísticas da situação do Oriente Próximo moderno e do Oriente Médio com o momento das cruzadas. Como muitas dessas obras, ela argumenta por um tipo de continuidade histórica que tem pouca semelhança com o estado atual das coisas nessas regiões. O que é de particular interesse para este ensaio, no entanto, é o grau em que ela mantém a visão de  fanatismo religioso subjacente às cruzadas. Sua visão é meramente a versão do final do século XX, pós-moderna e um pouco gnóstica, de muitas críticas anteriores dos ocidentais como fanáticos e os muçulmanos como tolerantes ... Tudo isso é entrelacado com a leitura de algumas das melhores literaturas recentes sobre o assunto que dificilmente apoia suas opiniões.
Para adicionar à análise de Powell aqui, gostaria de notar que muitos grupos terroristas islâmicos modernos, incluindo o Estado islâmico e a Al Qaeda, há muito referenciam as cruzadas medievais na sua propaganda para argumentar que os esforços modernos no Oriente Médio representam a continuação de tal histórico de agressão. Armstrong ao argumentar que há continuidade entre as cruzadas e eventos medievais no Oriente Médio moderno, idéia que Powell e outros historiadores das cruzadas rejeitam, ou sugerir que a história das hostilidades entre cristãos e muçulmanos foi instigada pelos cristãos durante as cruzadas, alimenta de forma irresponsável e imprecisa a propaganda extremista moderna e serve apenas para inflamar ainda mais as tensões modernas.

Então, em 1999, Powell comentou ainda ...
Alguns de vocês leram o artigo em uma revista recente do New York Times intitulada "The Crusades Even Now". O autor é uma escritora popular bem conhecida sobre temas religiosos, Karen Armstrong. Esse artigo resume as tensões, os preconceitos e a bagagem emocional que cercam a ideia da Cruzada. Como história, é infelizmente menos bem sucedido. Com a intenção de ressaltar "lições" do passado, sua mensagem segue mais a tradição de um sermão moral do que um esforço para entender o passado.
Um líder no estudo das Cruzadas, Alfred J. Andrea (Professor emérito da Universidade de Vermont e ex-Presidente da Associação de História Mundial) também comentou sobre a (falta de) erudição da Armstrong.
Karen Armstrong, Guerra Santa: as cruzadas e seu impacto no mundo de hoje (New York, Doubleday, 1991) argumenta que "as Cruzadas foram uma das causas diretas do conflito no Oriente Médio de hoje" (p. Xiii). Seja cuidadoso. O livro é altamente partidário, considera apenas o pensamento atual, e contém inúmeros erros factuais, alguns escandalosos.
Também perguntei a outros historiadores das cruzadas sobre seus pontos de vista sobre o trabalho de Armstrong sobre as cruzadas. Eles incluíram o Dr. Dan Franke do Richard Bland College, o Dr. Paul F. Crawford da Universidade Califórnia da Pensilvânia e o Dr. Vincent Ryan da Faculdade Aquinas. Aqui estão os seus pontos de vista expressos em correspondência privada e citados com a sua permissão.

Perguntei a Dan se ele cita Armstrong em qualquer uma das aulas ele respondeu:
Não, porque tenho livros melhores para os meus propósitos. A introdução muito curta de Christopher Tyerman, a nova história concisa de Thomas Madden ou a curta história de Helen J. Nicholson fornecem um ponto de entrada igualmente acessível para as cruzadas e são muito mais confiáveis.
Quando perguntei a Paul sobre sua opinião sobre o trabalho de Armstrong, ele disse:
Karen Armstrong é uma historiadora do pop, cujas obras, embora legíveis e atraentes, são fracas quanto à fundamentação factual em fontes históricas atuais, já que demonstram  preconceito anti-católico. Quando ela lida com as cruzadas, seu desdém e desprezo por esse assunto são evidentes, e é muito difícil tratar um assunto histórico com objetividade e nuance adequados quando se traz esse tipo de atitude à pesquisa. Que o resultado do seu trabalho é infeliz e inútil demais talvez não seja surpreendente.
E Vincent, abordando argumentos particulares feitos por Armstrong, observou:
Para alguém que pensa com frequência sobre o assunto, a ignorância de Karen Armstrong sobre as Cruzadas é impressionante. No entanto, nada pode superar o argumento que ela faz na Guerra Sagrada atribuindo às Cruzadas uma influência decisiva no conflito no Oriente Médio moderno. No cerne desta tese é o apoio dos EUA ao estado de Israel, que ela consegue ligar de volta às Cruzadas, porque os cruzados eram peregrinos e as pessoas que desempenharam um papel fundamental no início da colonização inglesa da América do Norte se chamavam "peregrinos" (!). De acordo com Armstrong, isso demonstra "que um entusiasmo cruzado não está apenas inserido profundamente na identidade americana e crucialmente formativo na história americana, mas também que existe uma afinidade americana natural com o sionismo" (p. 472). Essa análise pseudo-histórica parece mais útil para um romance potencial de Dan Brown do que para oferecer qualquer visão legítima sobre as Cruzadas e seu impacto real.
Embora muitos historiadores das cruzadas encontrem problemas com o comentário de Armstrong sobre as cruzadas, a voz da ex-freira parece ter um impacto maior nas compreensões populares. Tenho certeza de que os leitores e fãs de seu trabalho podem encontrar esta postagem no blog e argumentem que seu trabalho sobre a religião em geral, ou o Islã em particular, seja útil de muitas outras maneiras. Eu não tenho tempo ou energia para entrar nesses tópicos aqui, mas à luz dos inquéritos que às vezes recebo sobre seus vários comentários relacionados às cruzadas, os leitores devem saber que os historiadores das cruzadas, têm, pelo menos, muitas preocupações sobre a qualidade do trabalho dela.

Dr. Andrew Holt é Professor de História no Florida State College em Jacksonville. Ele também ensina história para cursos de pós-graduação online para o Norwich University - The Military College of Vermont. (Leia mais)


terça-feira, 5 de setembro de 2017

O Irã ilusório que Glória Maria (Rede Globo) mostrou e a realidade dos fatos


A repórter Gloria Maria se junta a Ana Maria Braga e Roberto Cabrini como a mais nova idiota útil do islamismo no Brasil (dhimmi) com o documentário sanitizado sobre o Irã, segundo ela, uma maravilha dos direitos humanos.


A repórter Glória Maria no programa "Globo Repórter", da Rede Globo, glamorizou um país que viola sem o menor pudor os Direitos Humanos do seu povo, o Irã. A reportagem passa para a grande parte do povo brasileiro que absorve o que a Rede Globo diz com se fosse açucar, uma visão equivocada, e que justifica o que acontece no Irã como se fosse meramente a "expressão de uma cultura milenar." Isso é mentira!

A Cultura Persa foi praticamente exterminada no século VII pelas invasões islâmicas, que destruíram séculos de contribuições importantes para a humanidade, substituindo-as pelo barbarismo da lei islâmica (Sharia). O ressurgimento recente de uma Pérsia democrática e pluralista ocorreu no começo do século XX, tendo se estancado com a Revolução Iraniana liderada pelo Aiatolá Khomeini, em 1979, que re-implementou a teocracia islâmica, sob a vertende xiíta.

A "bela "cultura xiíta" que a Glória Maria e a Rede Globo mostram só foi possível após meses de negociações: apenas mostrar o que interessa para os aiatolás que mandam no Irã. Isso se chama PROPAGANDA! 

A pergunta que merece ser feita é: será que a repórter Gloria Maria e a Rede Globo são ignorantes ou coniventes? E se são coniventes, por que? 

Nós já escrevemos sobre o Irã e sobre o xiísmo em diversos artigos:
E, claro não podemos nos esquecer dos Bahá'í, uma minoria criminosamente perseguida, bem como a perseguição aos cristãos, ex-muçulmanos e homossexuais

Agora, eu transcrevo abaixo um trecho que uma postagem no Facebook por Claudia Wild, que descreve de modo muito apropriado o Irã e complementa os artigos citados.
O Irã é um país que vive de um regime autoritário e violento, instigado pelo atraso e regras do islã xiita (seguido por 94% da população), regido com mão de ferro por bizarros aiatolás e políticos sanguinários, que, por exemplo, negam o Holocausto, ameaçam "riscar Israel do mapa" e amaldiçoam a maior democracia do mundo, os Estados Unidos. Um regime ditatorial sem quaisquer compromissos com a liberdade, ou com a democracia - aliás, palavras proibidas na republiqueta. O que a gloriosa Glória Maria nos mostra, a realidade desmente. Ela vende um país imerso na alegria de um povo livre e afortunado, o que constitui uma canalhice inexplicável.
O atual regime iraniano é condenável sob todos os aspectos da respeitabilidade humana. O país é um notório violador de Direitos Humanos, o que já foi inclusive reconhecido por diversas Comissões da ONU e mostrado em sérios estudos independentes. No país, apesar da existência de uma Constituição estabelecendo direitos fundamentais e garantias legais, na prática, o que se vê é a covardia de uma tirania islâmica.
Um país em que o judiciário não é soberano e atua para satisfazer as vontades do Líder Supremo. Onde, na verdade, inexistem garantias processuais. Onde provas forjadas e confissões feitas sob coação são legais e admitidas pelos tribunais.
O país tem o islã como religião oficial e constitucionalmente admite outros credos (Art. 12 da Constituição Iraniana), mas que persegue todas as minorias religiosas. É um dos países do mundo que mais persegue cristãos e judeus.
Apesar da constituição iraniana em seu artigo 175 garantir a liberdade de expressão e pensamento, o imposto pelos aiatolás é exatamente o contrário. Existe um rigoroso controle de seus jornalistas, há proibição para a imprensa estrangeira filmar ou fotografar o país - a própria Glória Maria, num momento de verdade, conta que demoraram meses para receber a autorização de filmagem. Local onde a intimação e detenção de jornalista é comum. Onde notícias são censuradas e só é publicado o que é permitido e conveniente ao regime teocrático. País onde antenas parabólicas são proibidas e confiscadas pelo governo. O regime determina também o controle absoluto da internet.
Uma republiqueta onde mulheres não têm praticamente direito algum. Em que a violência doméstica e o estupro são tolerados. Paraíso islâmico que obriga mulheres a usarem o hijab em locais públicos, sob pena do pagamento de multa e chicotadas, caso reincidentes. Um país que não admite o reconhecimento do estupro dentro do casamento, pois o sexo é uma obrigação e não pode ser negado ao marido.
Segundo um estudo da Universidade de Teerã, datado de 2012, no Irã uma mulher é agredida a cada 9 segundos. Lá o divórcio só é permitido se o marido concordar com o mesmo, mas, ele, marido, pode divorciar-se sem apresentar qualquer motivação. País onde mulheres ganham 4,5 vezes menos do que homens (relatório do Global Gender GAP-2012), e que tem apenas 20% de força de trabalho feminino. Dentre 135 países pesquisados, a republiqueta teocrática ocupa o 127° posição na igualdade de tratamento entre homens e mulheres.
As fétidas prisões brasileiras se comparadas com as do Irã podem ser chamadas de hotéis com regras estabelecidas, pois lá presos são torturados, espancados, estuprados e queimados com cigarro. Nestes locais, presos são também obrigados a ingerir fezes, têm suas unhas removidas, são privados do sono e tomam surras diárias. No Irã não há a garantia do devido processo legal, admitindo-se "Tribunais Revolucionários“- em que juízes adotam para réus a penalidade que bem quiserem de acordo com o primitivo ordenamento da lei islâmica.
Neste sentido, o uso da flagelação e da amputação é considerado pelo governo apenas como um método de punição e jamais uma caracterização de tortura.
Os presos políticos do Irã sofrem a chamada "tortura branca“ e também violações inacreditáveis, conforme mencionado no relatório da DRL, da Comissão da Terceira Assembléia da ONU de 2012. Para se ter uma ideia dos absurdos sofridos, de 2002 a 2012 foram prolatadas 3.766 sentenças condenatórias determinando a flagelação de condenados.
O país tem forças de segurança corruptas e ineficientes que usam e abusam da tortura e o governo finge sistematicamente não enxergar.
Um país que impõe a pena de morte para homossexuais - obrigados a adotar absoluta discrição para sobreviverem, caso contrário são executados. Um paraíso em que não é permitido qualquer demonstração pública de carinho. O Irã feliz e satisfeito mostrado pelo jornalismo global é uma farsa. O povo vive em uma repressão absurda, e, não no mundo encantado mostrado por Glória Maria.
Tentar relativizar um regime despótico, beligerante, atrasado e cruel é de uma desonestidade assustadora. Parece que a referida emissora de televisão quer mostrar as maravilhas do islã e seus fantásticos regimes.
Como podem ver... Estas "maravilhas" dão lugar ao que há de mais opressor e degradante na humanidade. A desinformação de Glória Maria e sua equipe só perdem para o cinismo e estupidez da jornalista, que ao degustar um simples pepino retrucou; "maravilhoso." Como se pepino não fosse pepino no mundo inteiro. Não venha tentar nos vender este pepino, minha senhora!
Com certeza, este pepino não queremos.



domingo, 3 de setembro de 2017

Atualização em agosto de 2017

Veja o que entrou de novo no blog em agosto de 2017, exemplificando a aplicação da lei islâmica Sharia ao redor do mundo, seja por governos de países com maioria muçulmana, grupos islâmicos ou mesmo ações individuais.

Quem matou Maomé?
Um vídeo no qual David Woods discute quem matou Maomé, segundo as próprias escrituras islâmicas. O desfecho é supreendente.



Direitos das Mulheres sob o Islão: Parte 3Parte 2Parte 1
A imigração muçulmana aliada ao políticamente correto do Ocidente estão tornando as mulheres ocidentais igualmente sem defesa frente ao avanço implacável da Sharia.
Canadá: polícia de fronteira alerta que praticantes de mutilação da genitália feminina (FGM) estão entrando no Canadá
Autoridades de imigração e fronteiras sabem que meninas muçulmanos tem sido levadas do Canadá para países islâmicos para terem seus clítores removidos. Agora, um relatório alerta que praticantes de medicida indocumentada especializados em FGM estão atuando no Canadá. Eles fazem os serviços nas casas dos seus clientes muçulmanos. (GlobalNews)

Arabia saudita: companhia aérea diz que mulher pode ser expulsa de avião se mostrar braços ou pernas
O código de vestimenta da Saudi Arabian Airlines foi colocado no seu site, mas retirado após uma chuva de comentários negativos oriundos de leitores de diversas partes do mundo. Mulheres podem ser expulsas se exporem pernas ou braços;ou usarem roupas transparentes; ou roupas colantes. Homens caso usem bermudas. (dailymail)

Grã-Bretanha: Saiel Bashar, estudante afegão de 23 anos, queria desvirginar infiél de 13 anos
Ele chorou e rezou por misericórdia para não ser denunciado, ao ser pego indo de encontro a uma menina de 13 anos, para abusá-la na cama da sua mãe enquanto ela estivesse fora trabalhando. O muçulmanos foi pego por um grupo que caça pedófilos, que mostraram para ele mais de 300 páginas da transcrição do seu contato via Internet com uma menina fictícia de 13 anos, enviando todo o tipo de material pornográfico e prometer um celular para que ele tirasse a virgindade dela.
Existem pedófilos em todo o mundo. Mas existe apenas uma religião que tem um pedófilo como exemplo de conduta (dailymail).

Grã-Bretanha: líder islamico receia preconceito anti-islâmico apos condenação da rede de estupradores paquistaneses
O problema é que o islamismo permite o estupro e escravidão sexual de mulheres não-muçulmanas. Seria bom que estes líderes reconhecessem isso, o que facilitaria que isso fosse combatido. Ao invés disso, eles dizem que eles não precisam condenar nada pois "a comunidade branca não condenou os crimes de Jimmy Saville."  (Jimmy Saville era um apresentador da BBC e foi acusado de diversos crimes sexuais - ele morreu durante os processos contra ele). (jihadwatch)

Grã-Bretanha: 6 mil crianças reclaman de aliciamento por gangues de "estupradores paquistaneses" em Birmingham
Isso tudo apenas no no bairro de Sandwell. Isso segue o Alcorão que diz que os muçulmanos podem fazer das mulheres infiéis suas escravas sexuais. (Breitbart)

Grã Bretanha: atriz pronô muçulmana recebe ameaças de morte de todos os tipos
Muçulmanos a ameaçam com fotos de execuções. Em alguns dos seus vídeos, ela usa o véu islâmico (hijab) durante a "performance." (Daily Mail)

Irã: mulheres com pelos ou espinhas no rosto proibidas de darem aula
Também estão banidos professores que tiverem menos de 20 dentes. (Daily Mail)




Iraque: Alemã que pertencia a "polícia feminina" do Estado Islâmico, presa em Mosul
A jovem de 16 anos Linda Wenzel foi cooptada por uma "mesquita radical" na Alemanha (e por que o governo permite que elas operem?) e acabou fugindo para Mosul. Ela se tornou esposa de um jihadista e membro da temida polícia feminina, que aterrorizava as mulheres de Mosul. Ela foi presa em julho pelo exército iraquiano e pode ser até mesmo executada. Ela agora diz que se arrepende e quer voltar para a Alemanha (Daily Mail).

Espanha: imã radicalizou e liderou célula jihadista
A célula terrorista que matou 14 pessoas na Espanha na última quinta-feira (17), atropelando pedestres em Barcelona e Cambrils, era liderada pelo líder religioso Abdelbaki Es Satty. O imã - um tipo de líder religioso no islã - teria radicalizado e mobilizado um grupo de até 12 jovens, incluindo menores de idade. Satty já tinha histórico criminoso, e fora detido até 2012 por tráfico de drogas, segundo informações da imprensa local. (MSN)


Leia este artigo "Boicote Produtos Halal" para saber o que é "comida halal" e o porquê de boicotá-la. E visite os demais links.



História (Arte e Jahiliyya)

Turquia: políticos islamistas exigem a derrubada de estátua de filósofo grego
A estátua de Diogenes está situada na província de Sinop. (stockholmcf)




O camelô Muhammad, a "indústria da imigração" e a desonestidade política
Uma discussão sobre a preferência que vem sendo dada aos "imigrantes" (notadamente aos muçulmanos) em detrimento dos brasileiros em situações semelhantes.

Atenção: Islã chega às favelas do Brasil
Veja o material que já está sendo distribuído em larga escala nas comunidades. Estão pagando para muitos pastores (lobos disfarçados de pastores) fazerem esse trabalho.


Secretário especial de assuntos estratégicos de Temer é barrado no aeroporto e impedido de entrar nos EUA
O secretário especial de assuntos estratégicos da Presidência, Hussein Kalout, foi impedido de embarcar em um voo da American Airlines para os Estados Unidos na segunda-feira (21), após se recusar a se submeter a uma inspeção especial, que ele considerou humilhante. Kalout indagou o motivo para a inspeção especial. "São ordens do governo americano", teria respondido o funcionário, no aeroporto.
Hussein Kalout é cientista político brasileiro, professor de Relações Internacionais e especialista em estudos sobre o Oriente Médio e Islã. Colabora como professor e coordenador do curso sobre o mundo islâmico organizado pela Federação das Associações Muçulmanas do Brasil (FAMBRAS) em parceria com o Instituto Rio Branco. (www.plantaobrasil)

Juíza de Brasília cria previlégio para muçulmanas cobrirem cabeça com o véu na carteira de motorista
Segundo o jota.info, o Supremo Tribunal Federal irá decidir se muçulmanas podem tirar foto para a carteira de motorista cobrindo o rosto. Contudo, uma juíza substituta do 2ª Juizado Especial da Fazenda Pública do Distrito Federal, Jeanne Guedes (isso mesmo, mulher), mandou o DETRAN-DF expedir carteira de motorista para uma muçulmana cobrindo a cabeça, o que contraria a legislação (conjur).


Grupo do Facebook dedicado a instalação da lei islâmica (Sharia) no Brasil
Para quem acha que esse negócio de lei islâmica é conto da carochinha, a coisa é séria. Lembre-se sempre: muçulmanos desejam a Sharia, e a Sharia se impõe sobre tudo e sobre todos! (Facebook)
Isso se chama de crime de sedição, pois eles desejam derrubar a Constituição do Brasil.




Grã-Bretanha: muçulmana ganha autorização especial para não usar biquini em concurso de miss, mas as infiéis todas têm que mostrar o seu corpo
Organizadores do concurso de "Miss Inglaterra" permitiram que uma muçulaman participasse cobrindo o seu corpo com um kaftan ao invés de usar um biquini. O artigo do Global news celebra isso como algo fantástico, contudo, isso apenas avança a Sharia mais um passo, pois a muçulmana obtém uma concessão que a favorece. Enquanto que todas as mulheres infiéis têm que mostrar todo o seu corpo vestindo biquini, a muçulmana esconde o seu corpo (as suas celulites, pneuzinhos e talvez até mesmo uma cicatriz hororosa). As infiéis são promíscuas ao mostrarem o seu corpo, enquanto que a muçulmana é um poço de virtude. (Global News)

Grã-Bretanha: livro infantil ensina crianças a como se comportarem durante um ataque terrorista
Os britânicos estão mesmo aceitando o terrorismo islâmico e a Jihad como parte do seu dia-a-dia. Ou seja, estão se rendendo, e ensinando as crianças a serem submissas. (Daily Mail)

Suécia: ativista foi expulsa de loja por não cobrir a cabeça com o véu islâmico (hijab)
Soheila Fors, uma escritora cristã suéca-iraniana e ativistas de direitos da mulhere, compartilhou sua experiência de ser afastada de uma loja de roupas pertencentas a pessoa oriundas da Somália porque ela não estava usando um hijab. Mas ela disse que não relataria a discriminação às autoridades por respeito pela liberdade religiosa dos somalis (PJMedia).

Suécia: estudantes suecos em desespero devido aos ataques por parte de estudantes refugiados
Mais e mais pais mantêm seus filhos estudando em casa, depois que as crianças foram abusadas por estudantes imigrantes recém-chegados que frequentam a Escola Central em Kristianstad. Os pais se revoltam, mas a diretora responde dizendo "Tente entender."   (Speiza)

Suécia: radicalização sendo feita nos centros de refugiados pelos próprios funcionários muçulmanos
A denúncia foi feita pelo pastor árabe Mezek Botros para a revista Världen Idag, e confirmada pelo periódico TT na cidade de Hörby. Ele diz ser comum ver bandeiras do Estado Islâmico e que os cristãos e ex-muçulmanos são assediados e mesmo agredidos nos centros de refugiados. As autoridades ignoram os avisos (Speiza).

Itália: marroquino se masturba em frente de mulher infiél, mas não é preso por isso
Uma mulher estava sentada dentro de um ônibus, quando um homem marroquino de 27 anos se aproximou de seu corpo e, em pé, começou a se masturbar e ejaculou sobre ela. Ela deu queixa, mas a juízA disse que masturbação em público não é crime já que não existiu contato físico! E se o homem fosse um italiano branco, será que o veredito teria sido o mesmo? (Pragmatismo Político)

Itália: prefeito de Veneza diz que qualquer pessoa que gritará "Allahu Akbar" em sua cidade será baleada por franco-atiradores
Luigi Brugnaro afirma que o ponto turístico turco italiano é mais seguro do que Barcelona - onde 14 pessoas morreram sendo atropeladas por um terrorista - dizendo que "em contraste, mantemos a guarda". Falando em uma conferência em Rimini, no nordeste da Itália, ele revelou ainda a extraordinária ordem que ele deu à polícia armada em uma das atrações turísticas mais populares da Europa. Brugnaro foi aplaudido pelos delegados quando disse: "Em contraste com o Barcelona, ​​onde eles não criaram proteção, mantemos a guarda. (Mirror)

Alemanha: jornalista é preso por compartilhar foto histórica
Michael Stürzenberger foi condenado a seis meses de prisão por compartilhar foto do encontro de Hitler com o Mufti de Jerusalém. O juiz considerou que a foto "incita o ódio" (Speiza).

Alemanha: maior site da ANTIFA fechado por promover violência
A ministra do interior, De Maizière, mandou fechar o site por incentivar e festeja a violência política. A ANTIFA é um grupo que se diz ser anti-facista, mas se utiliza de táticas facistas na sua ação, e está aliadíssima com a islamização. (vladtepes)

EUA: deputado do Partido Democrata mostra quadro com Estátua da Liberdade usando hijab em seu gabinete no Congresso
O deputado Lou Correa vê o quadro como uma afirmação dos valores americanos ... outros vêm isso como promoção da Sharia. (Clarion)


Espanha: vídeo captura momento quando um barco inflável chega à praia trazendo dezenas de imigrantes ilegais. 
ISSO É UMA INVASÃO! O vídeo mostra o desespero dos banhistas que frequentavam a Playa de los Alemanes, em Tarifa. O infável veio do Marrocos. O único policial presente nada pode fazer (Dailymail)


Austrália: deputada vai trabalhar vestindo burca no parlamento.
Ela promove uma campanha visando a criminalização da burca. (dailymail)

Bangladesh, país de maioria muçulmana, retorna barco com refugiados muçulmanos
O barco continha 31 muçulmanos rohingya, oriundos de Myanmar. Se os países muçulmanos rejeitam refugiados muçulmanos, porque os "países infiéis" devem recebe-los? (Z News).

China remove auto-falantes de 300 mesquitas
No condado de Hualong Hui, na província de Qinghai na China, o governo da região removeu os auto-falantes de mais de 300 mesquitas da região, após reclamações dos moradores que vivem próximos a essas áreas. (Daily Mail) Não há quem aguente a "chamada à oração."

Por que a Polônia é imune ao terrorismo, enquanto o resto da Europa sofre?
A cada novo atentado na Europa, o premiê polonês elogia o quanto seu país é fechado para novos cidadãos. E alega que é por isso que seu país não sofre ataques. Reportagem da Gazeta do Povo.


Franca: jihadista atropela militares
A polícia francesa atirou e prendeu um imigrante da Mauritânia em uma perseguição em uma auto-estrada nesta quarta-feira após este terrorista muçulmano ter deliberadamente atropelado 6 soldados do lado de fora de um quartel em um subúrbio de Paris, ferindo os seis.
O suspeito deste ataque terrorista é o último de uma série de assaltos que atingiram a França desde janeiro de 2015, reivindicando mais de 230 vidas.
Os militares foram atingidos por um terrorista muçulmano que guiava uma BMW por uma rua tranquila no sofisticado subúrbio parisiense de Levallois-Perret, às 6h GMT.
Os soldados faziam parte da força Sentinelle, de 7 mil membros e que atuam contra o terrorismo, criada em janeiro de 2015. São soldados armados e uniformizados que patrulham as ruas e protegem áreas de alto risco de ataques terroristas, como locais turísticos e edifícios religiosos. (pjmedia)

Espanha: atentados com carros e bombas em Barcelona
Barcelona, Espanha. Mais de cem feridos e treze mortos em Las Ramblas como resultado de um atentado terrorista perpetrado por dois jihadistas, visto que logo mais tarde o Estado Islâmico assumiu a autoria do ataque. E hoje à tarde, a mídia confirmou que uma das vítimas fatais desse acontecimento trágico foi o garotinho (que antes a mídia o considerava desaparecido) Julian Caldman.
No mesmo dia, uma tentativa de ataque terrorista foi realizada no município de Cambrils, também localizado na Espanha. Mas dessa vez, a polícia conseguiu impedir os cinco homens-bomba de concretizarem o seu objetivo, matando-os com tiros. (oglobopamelagellerfolha).

Finlândia: jihadista mata dois e fere oito aos gritos de Allahu Akbar
Turku, Finlândia. Jovem de origem marroquina aos gritos de “Allahu Akbar” esfaqueia pessoas aleatoriamente, matando duas e ferindo oito, de acordo com a mídia finlandesa. O terrorista levou um tiro na perna e foi preso. E a preferência na hora de atacar as suas vítimas era pelas mulheres. (pamelagellerg1.globo)

Russia: jihadista golpeia 7 à facadas
Sibéria, Rússia. Homem armado com uma faca fere sete pessoas na cidade de Surgut, deixando quatro delas em estado grave. O jihadista foi morto e logo após algum tempo, o Estado Islâmico assumiu a autoria do ataque. (g1.globo)

Roterdã, Holanda. Maassilo, uma sala de concertos em Roterdã, na Holanda, foi evacuada devido a uma ameaça terrorista
O concerto da banda de rock Allah Las, da Califórnia, foi cancelado. A unidade anti-terrorista foi mobilizada para o local. O presidente da Câmara de Roterdã confirmou que uma van com botijões de gás foi encontrada nos arredores da sala de concertos. O condutor da van que tem carteira de motorista de matrícula espanhola foi detido numa cidade alemã. O suspeito vai ser interrogado, confirmou a polícia de Roterdã através do Twitter. (observador

Grã Bretanha: Palácio de Buckingham fechado após dois policiais serem esfaqueados por um homem gritando “Allahu Akbar” 
Ele portava uma espada de 1,2 metros. O ataque ocorreu do lado de fora do palácio. A polícia prendeu um segundo criminoso envolvido no ataque. (independent; Daily Mail; Daily Mail)

Bélgica: esfaqueador baleado e morto após atacar dois soldados gritando “Allahu Akbar”
O jihadista fez o seu grito de guerra duas vezes antes do seu ataque, em Bruxelas. (Express)


Austrália: mulher vestindo burca rouba lanchonete da rede Subway 
Ela empunhava uma faca e fugiu com uma bolsa cheia de dinheiro. Ela, e seu comparsa masculino, acabaram presos (Daily Mail).


Paquistão: cristão apanha de multidão sob a falsa acusação de ter queimado o Alcorão
O adolescente cristão recolhe garrafas e papel para ajudar na renda familiar. Segundo o seu pai, um muçulmano que também recolhe garrafas e papel o acusou de ter queimado o Alcorão para eliminar a concorrência. Um clérigo islâmico também o acusa. A polícia prendeu o adolescente cristão já que a palavra de um muçulmano vale mais que a palavra de um não muçulmano. Segundo o código penal paquistanês (seção 295-B) ele pode ser condenado a prisão perpétua. (Tribune)

Perseguição aos Ateus
Logo infundirei o terror nos corações dos descrentes; decapitai-os e decepai-lhes os dedos! (Alcorão 8:12)
Muçulmano vira ateu e funda o site ATHEIST REPUBLIC
O importante testemunho de um ex-muçulmano (parte 1)


Fundador do ATHEIST REPUBLIC não crê na reforma do Islã
O importante testemunho de um ex-muçulmano (parte 2)



Perseguição Cristãos: Parte 1Parte 2
"Lute contra aqueles que não acreditam em Alá ou no Último Dia, que não proíbem o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro, e  que não reconhecem a Religião da Verdade (islão), mesmo que sejam do Povo do Livro (cristãos e judeus), até que paguem o imposto tributo jizyah em submissão, sentindo-se subjugados e humilhados. "[Outra tradução diz:] "paguem o imposto em reconhecimento da nossa superioridade e do seu estado de sujeição". (Alcorão 9:29)
Irã: quase 200 cristãos mantidos presos por promoverem o cristianismo
Esta é uma petição da CitzenGo em prol da libertação dois cristãos presos na famosa (e temerosa) prisão de Evin, no Irã. Eles começaram uma greve de fome protestando contra os maus tratos. Seus nomes são Amin Afshar Naderi and Hadi Asgari.  No texto esplicativo da petição descreve bem a situação da perseguição aos cristãos que acontece na República Islâmica do Irã: "Em 2016, cerca de 193 cristãos estão presos, incluindo-se aí ex-muçulmanos que se converteram para o cristianismo. Eles são frequentemente acusados de "ameaçar a segurança nacional ao abrirem igrejas domésticas", de "serem missionários",  ou de "insultatem o profeta (blasfêmia)." (CitizenGo)

Canadá: igreja incendiada criminosamente e coberta com grafitis do Estado Islâmico
Esta é a "diversidade" do primeiro-ministro canadense Justin Trudeau. (vladtepesblog)


Grã-Bretanha: menina cristã de 5 anos colocada sob a guarda de famílias muçulmanas - obrigada a usar véu e retirar seu crucifixo
Após 6 meses, a pobre menina estava desesperada pois nem inglês os muçulmanos falavam. A mãe da menina, que depende do serviço social britânico, também ficou horrorizada com isso. Já imaginaram a gritaria se o oposto tivesse acontecido? O problema é que a menina reside no bairro de Tower Hamlets, majoritariamente muçulmano. E quem controla o serviço social é a sub-prefeitura, composta por muçulmanos. Um ex sub-prefeitp. Luftur Rahman, tinha ligações com grupos extremistas europeus. (Daily Mail)

Quênia: três cristãos são degolados ao se recusarem recitar a Shahada
A Shahada é a profissão de fé, que torna uma pessoa em muçulmano instantaneamente ao repeti-la 3 vezes. Uma quarta pessoa, um retardado mental, também foi degolado por se manter calado. (World Watch Monitor)

A Gerra Global do Islã contra o Cristianismo
Um milhão de cristãos foram mortos nos últimos 10 anos pelo simples fatos de serem cristãos. Muitos deles foram mortos por se recusarem a renunciar a sua fé cristão e se tornarem muçulmanos.



"Lute contra aqueles que não acreditam em Alá ou no Último Dia, que não proíbem o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro, e  que não reconhecem a Religião da Verdade (islão), mesmo que sejam do Povo do Livro (cristãos e judeus), até que paguem o imposto tributo jizyah em submissão, sentindo-se subjugados e humilhados. "[Outra tradução diz:] "paguem o imposto em reconhecimento da nossa superioridade e do seu estado de sujeição". (Alcorão 9:29)
Austrália: proíbida a construção de sinagoga por receio do terrorismo islâmico
Isto é semelhante a culpar as mulheres pelo estupro (Newsweek).

Espanha: rabino-chefe sugere que judeus deixem a "Europa perdida" imediatamente
Ele diz que os judeus devem se mudar para Israel antes que seja tarde. (Daily Mail)

Perseguição outras religiões
Mas quando os meses sagrados tiverem transcorrido, mate os idólatras onde quer que você os encontre, e capturai-os, e cerque-os, e arme ciladas para eles usando de todos os estratagemas (da guerra); mas caso eles se arrependam, observem a oração e paguem o zakat [ou seja, se tornem muçulmanos], abra o caminho para eles. Sabei que Alá é Indulgente, Misericordiosíssimo. (Alcorão 9:5)
Indonésia: divindade chinesa é coberta após protesto dos muçulmanos
Uma estátua de 30 metros que representa uma deidade chinesa foi coberta com uma folha enorme neste fim de semana na província de Java Oriental, na Indonésia, depois que os muçulmanos ameaçaram arrancar o colosso em meio a crescentes tensões étnicas e religiosas em todo o país.
A campanha islâmica contra a estátua, uma descrição do general do século III Guan Yu, que é adorada como um deus em várias religiões chinesas, começou on-line e logo se espalhou para os portões de um templo confuciano chinês em Tuban, perto da costa do Mar de Java, onde a figura foi erguida no mês passado.
Nas mídias sociais, os muçulmanos assaltaram a estátua como uma afronta "incivilizada" para o Islã e contra as "pessoas nativas" da ilha, e uma multidão reuniu esta semana fora da legislatura do leste de Java na cidade de Surabaya para exigir sua destruição.
Estátuas consideradas não-islâmicas têm sido destruídas ou vandalizadas em todo o país nos últimos anos e vários templos chineses foram incendiados. Cobrir a estátua com uma grande lona branca foi a solução temporária dos dirigentes do templo depois que um corpo religioso governamental os forçou a encontrar uma solução ....
Este protesto está de acordo com a lei islâmica, que estipula que as estruturas não-muçulmanas não devem ser superiores aos muçulmanos e que os não-muçulmanos não devem fazer exibição pública de suas observações religiosas. (nytimes)

Ultraje Eterno

Arábia Saudita: menino preso por dançar na rua
A polícia saudita prendeu nesta terça-feira um garoto de 14 anos que foi filmado dançando "Macarena" em um cruzamento de rua na cidade costeira de Jeddah, em um clipe amplamente compartilhado nas mídias sociais. (The Express Tribune)

.➽


sábado, 2 de setembro de 2017

Será que o aumento da frequência do “terror islâmico”na Europa está relacionado a peregrinação a Meca?


Já é um fato que o mês do Ramadã, o “mês sagrado” do islamismo caracterizado quando fiéis (e mesmo infiéis) são obrigados a jejurarem durante o dia (e, para compensar, enchem a barriga durante a noite) é um mês sangrento. Muitos fiéis resolvem louvar a Alá do modo do seu modo preferido, através da Jihad, e a mortandade de infiéis, de ex-muçulmanos, ou mesmo dos muçulmanos de denominações diferentes do jihadista cresce exponencialmente. Este fenômeno ganhou a alcunha de Bombatona (mistura de “bomba” com “maratona”)

Ataques pela causa de Alá: 174; mortos: 1595
Muçulmanos mortos por islamófobos: 2

Mas será que outros “meses sagrados” provocam o mesmo fervor nos mais devotos?

Então, vieram os vários dias seguidos de ataques do “terror islâmico” pela Europa. Seria isso coincidência?  Ao pesquisar quando seriam as datas dos demais feriados, nos deparamos com um muito particular: a Hajj (que é a peregrinação a Meca e um dos pilares do islamismo), que iniciou no dia  30/08/2017 indo até 04/09/2017 (mas dependendo dos avistamentos da lua). Ou seja, será que alguns mais devotos, na impossibilidade de participarem da famosa peregrinação, resolveram agradar Alá através da Jihad.

É como disse Maomé: nada substitui a Jihad pela causa de Alá.

A lista dos atentados ...

Dezessete de Agosto de 2017
Barcelona, Espanha. Mais de cem feridos e treze mortos em Las Ramblas como resultado de um atentado terrorista perpetrado por dois jihadistas, visto que logo mais tarde o Estado Islâmico assumiu a autoria do ataque. E hoje à tarde, a mídia confirmou que uma das vítimas fatais desse acontecimento trágico foi o garotinho (que antes a mídia o considerava desaparecido) Julian Caldman.
No mesmo dia, uma tentativa de ataque terrorista foi realizada no município de Cambrils, também localizado na Espanha. Mas dessa vez, a polícia conseguiu impedir os cinco homens-bomba de concretizarem o seu objetivo, matando-os com tiros.

Dezoito de Agosto de 2017
Turku, Finlândia. Jovem de origem marroquina aos gritos de “Allahu Akbar” esfaqueia pessoas aleatoriamente, matando duas e ferindo oito, de acordo com a mídia finlandesa. O terrorista levou um tiro na perna e foi preso. E a preferência na hora de atacar as suas vítimas era pelas mulheres.

Dezenove de Agosto de 2017
Sibéria, Rússia. Homem armado com uma faca fere sete pessoas na cidade de Surgut, deixando quatro delas em estado grave. O jihadista foi morto e logo após algum tempo, o Estado Islâmico assumiu a autoria do ataque.

Vinte e Quatro de Agosto de 2017
Roterdã, Holanda. Maassilo, uma sala de concertos em Roterdã, na Holanda, foi evacuada devido a uma ameaça terrorista. O concerto da banda de rock Allah Las, da Califórnia, foi cancelado. A unidade anti-terrorista foi mobilizada para o local. O presidente da Câmara de Roterdã confirmou que uma van com botijões de gás foi encontrada nos arredores da sala de concertos. O condutor da van que tem carteira de motorista de matrícula espanhola foi detido numa cidade alemã. O suspeito vai ser interrogado, confirmou a polícia de Roterdã através do Twitter.

Vinte e cinco de Agosto de 2017
Grã Bretanha: Palácio de Buckingham fechado após dois policiais serem esfaqueados por um homem gritando “Allahu Akbar.” Ele portava uma espada de 1,2 metros. O ataque ocorreu do lado de fora do palácio. A polícia prendeu um segundo criminoso envolvido no ataque.

Vinte e cinco de Agosto de 2017
Bélgica: esfaqueador baleado e morto após atacar dois soldados gritando “Allahu Akbar”
O jihadista fez o seu grito de guerra duas vezes antes do seu ataque, em Bruxelas.




Fontes:
https://oglobo.globo.com/mundo/menino-de-sete-anos-dado-como-vivo-esta-entre-as-vitimas-fatais-do-atentado-em-barcelona-21726768

http://pamelageller.com/2017/08/hoto-barcelona-jihadi.html/

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2017/08/1910663-van-atropela-multidao-no-centro-de-barcelona-e-deixa-feridos.shtml

http://pamelageller.com/2017/08/finland-knifeman-allahu.html/

http://g1.globo.com/mundo/noticia/homem-armado-com-faca-ataca-e-fere-pessoas-na-russia.ghtml

http://g1.globo.com/mundo/noticia/rapaz-que-esfaqueou-e-matou-dois-na-finlandia-e-marroquino-diz-policia.ghtml

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/09/saiba-o-que-e-o-hajj-peregrinacao-dos-muculmanos-ate-meca.html

http://www.express.co.uk/news/world/833350/Hajj-2017-when-is-dates-Muslim-Islam-pilgrimage-Mecca

https://www.express.co.uk/news/world/845968/brussels-machete-attack-terror-belgium-soldiers-latest

https://www.independent.co.uk/news/uk/home-news/buckingham-palace-attack-incident-london-man-sword-stabbing-police-reports-latest-news-updates-a7913641.html

http://www.dailymail.co.uk/news/article-4824420/Man-armed-sword-attacks-police-officer.html

http://www.dailymail.co.uk/news/article-4827284/Second-man-arrested-Buckingham-Palace-sword-attack.html

http://observador.pt/2017/08/23/holanda-concerto-em-roterdao-cancelado-devido-a-ameaca-terrorista/